Imigração, Morar no Canadá, Visto para o Canadá

Brasileiro em terras canadenses

Muitos clientes entram em contato conosco com dúvidas referentes a trabalho, moradia, estudo, custo de vida, choque cultural. Tenho certeza que você já fez algumas dessas perguntas durante o seu planejamento para vir para o Canadá:

1. Como conseguir um emprego no Canadá?
2. Como morar no Canadá legalmente?
3. Canadá precisa de visto?
4. Como estudar no Canadá?

Reunindo todas essas perguntas, super comuns entre brasileiros, decidi fazer esse post compartilhando um pouco sobre a minha experiência de vida desde o primeiro dia em que cheguei no país. Prepara aquele cafezinho esperto pra acompanhar a sua leitura e embarque nessa aventura junto comigo 🙂


A pergunta que mais ouço é: “Por que decidiu sair do país e porquê o Canadá?”

A decisão de mudar de país é muito pessoal e o que te motiva a tomar essa decisão é ainda mais pessoal. No meu caso, após 12 anos trabalhando na área administrativa e com o desejo antigo de conhecer novos lugares do mundo, decidi que aos 29 anos seria “now or never”. Planejei com calma e com a ajuda de profissionais. Aliás, essa é a primeira dica que deixo pra vocês: sim, é muito mais barato fazer todo o processo de vistos ou educacional por conta própria, mas muitas vezes o barato sai caro. Sem contar que quando você contrata um profissional da área, você tem o respaldo dessa empresa para te auxiliar do início ao fim do processo. Contratei uma empresa de intercâmbio e fechei um programa de estudos e visto, incluindo moradia em casa de família. Passagens compradas, finalmente desembarquei em solo canadense.

Moro em Vancouver, BC, há pouco mais de 4 anos e me lembro até hoje do dia em que pisei pela primeira vez em solo canadense, uma mistura de medo, ansiedade e excitação.

Entrei no país com um visto de estudo e na época ainda era possível estudar Inglês e trabalhar 20 horas semanais durante o período de estudos. Hoje já não mais. Você precisa aplicar para um College público ou privado caso queira ter direito ao visto de trabalho atrelado ao seu de estudos. Já havia estudado Inglês no Brasil, por quase 10 anos, mas apenas morando e imerso na cultura norte americana é que pude desenvolver a pronúncia, sem contar slangs (gírias) e expressões que você só aprende quando vive no país.


Fechei um programa de estudos de 6 meses e após esse período, na verdade pouco antes do meu visto expirar, decidi continuar no país.


Antes de continuar, é importante mencionar que decisões são muito pessoais, portanto por mais que esse blog post te inspire a vivenciar as mesmas experiências que tive durante esses 4 anos, é importante você se planejar.


Resolvi então, novamente com a ajuda de um profissional da área, estender o meu visto de estudo e aplicar para um College privado. Colleges privados tem um custo mais acessível e alguns deles permitem até que você parcele o pagamento. Se você quiser mais informações a respeito da diferença entre Colleges privados e Colleges públicos, clique aqui.


Fechei o programa Co-op de 1 ano em Hospitality Management nesse College privado. Colleges privados te permitem trabalhar part-time (20 horas semanais) durante o período de estudos e full-time (40 horas semanais), após o término das aulas.


Durante esse 1 ano, trabalhei como busser, bartender e banquet server em um restaurante, consideradas entry level positions. Vale a pena ressaltar que, ao contrário do que a grande maioria imagina, a realidade pela busca por um emprego na área é outra. Formado em Administração de empresas no Brasil, precisei retroceder alguns passos para que hoje pudesse estar empregado na minha área. Mas isso eu só vou dividir com vocês mais pra frente.


Após esse 1 ano, estendi novamente o meu visto de estudo, só que dessa vez para um College público. Essa foi uma decisão tomada em conjunto com um consultor de imigração que contratei na época para avaliar o meu perfil. Sim, imigração! Imigrar para o Canadá não estava nos meus planos, mas por N razões, decidi que faria do Canadá minha segunda casa.


Fechei portanto, um curso de 2 anos em Marketing na BCIT e aí vem a única parte triste da história. Colleges públicos te dão direito ao PGWP (Post Graduation Work Permit), que funciona como se fosse um estágio remunerado no Brasil. O governo autoriza até 3 anos de permissão de trabalho full-time, após a graduação. Dessa vez eu não contratei a ajuda de um profissional e preferi economizar. Apliquei para o PGWP por conta própria e fiz completamente o que não deveria ter feito. Um dia ainda conto pra vocês em detalhe essa história.


Me foi concedida a permissão de 1 ½ ano de permissão de trabalho. Óbvio que a frustração foi grande e pensei até em retornar para o Brasil. Foi aí que um amigo me aconselhou a marcar uma consulta de imigração e foi o que fiz. Foi um divisor de águas e após essa consulta descobri que estava próximo a atingir a pontuação exigida para imigrar para o Canadá. O consultor avaliou o meu perfil e me orientou quanto às próximas etapas.


Nesse período de um ano de permissão de trabalho, recebi uma indicação para trabalhar em uma empresa canadense, e hoje trabalho na área de Marketing. Prestes a enviar a minha aplicação para o processo de imigração, hoje eu colho os frutos de muito trabalho duro e perseverança.


Para concluir, diria que você ouvirá muitos nãos e que durante o percurso terão momentos em que você pensará em desistir. Isso é super normal! Você não será o único a questionar as suas decisões. Muita gente passa pelos mesmos conflitos internos. Pode ser o choque cultural ou a saudade da família e amigos. Sonho vs realidade. Independente do motivo, foque sempre no seu objetivo final.

You can do it!

Author


Tiago Cruz

Partnership Coordinator